A Declaração de Imposto de Renda é algo que sempre causa muitas dúvidas entre os contribuintes. Mesmo que a  Receita Federal utilize um software moderno para a coleta de dados, muitos erros são cometidos todos os anos. 

Atentar-se à esses detalhes também é tarefa dos profissionais da contabilidade. É preciso estar atento para que não seja necessário entrar com pedido de retificação da declaração e ainda estar sujeito ao pagamento de multas.

Para evitar essas falhas, listamos os erros mais comuns na declaração do Imposto de Renda. Confira!

1. Erros de digitação

Errar na digitação das palavras e números é comum, mas ao declarar o IR, é preciso redobrar sua atenção e cuidado. Um problema recorrente é acrescentar duas casas decimais aos números.

Por isso é importante que todas as informações sejam revisadas quantas vezes forem necessárias, antes de enviar.

2. Incluir despesas não dedutíveis

É fundamental ter clareza sobre quais são as despesas dedutíveis e quais não são. As despesas médicas e de educação, são as que mais geram confusão. 

Segundo a Receita, as despesas médicas dedutíveis são aquelas que dizem respeito aos gastos com médicos especialistas, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas e hospitais, assim como as despesas com exames de laboratório e próteses ortopédicas.

Já, as despesas com educação, são as mensalidades e anuidades de escolas, faculdades ou cursos profissionalizantes. Os gastos com uniformes e materiais escolares, por exemplo, não entram nessa categoria.

3. Não declarar pensão alimentícia

Independente do valor, quem paga ou recebe pensão alimentícia deve declarar no imposto de renda na ficha de Pagamentos Efetuados. 

Vale lembrar que isso é válido somente para quem tem o pedido de pensão homologado em cartório ou a partir de decisão judicial.

4. Alterar o valor de bens

Todos os bens do constituinte devem ser declarados pelo valor pelo qual foram adquiridos; portanto, não é possível atualizar o valor de determinados bens. Por exemplo: um automóvel que foi adquirido por R$40 mil em 2015, não pode ser atualizado para o quanto ele vale atualmente.

A única exceção ocorre nos imóveis. Se o imóvel passou por algum tipo de reforma, é possível atualizar o valor utilizando comprovantes e recibos da obra.

5. Omitir rendimentos

Outro erro que ocorre com frequência é a omissão dos rendimentos. Os trabalhadores autônomos, por exemplo, devem declarar todos os rendimentos, por menores que sejam, para não cair na malha fina da Receita.

6. Esquecer das receitas dos dependentes

Para quem possui dependentes na lista de IR, é necessário declarar todos os valores comprováveis que eles receberam, como aposentadorias, pensões e rendas recebidas de terceiros.

7. Rendas de aluguéis

 

Todos aqueles que pagam ou recebem aluguel também devem informar à Receita Federal nos campos pré-determinados, porque no caso dos valores recebidos, tratam-se de valores tributários. E para quem paga o aluguel, os dados devem constar no campo Pagamentos Efetuados. 

 

8. Não declarar investimentos isentos

Para quem possui aplicações financeiras, é importante ficar atento! Todos os valores aplicados em investimentos isentos devem ser declarados no IR. Investimentos na caderneta de poupança ou Letras de Crédito, devem estar incluídas nas informações cedidas para a Receita.

 

Muitos desses erros parecem ser óbvios, mas são falhas que ainda acontecem todos os anos, e a maioria deles é causado apenas por falta de atenção. Não deixar a declaração de Imposto de Renda para última hora, é fundamental, pois dessa forma é possível ter cuidado para revisar todos os dados antes de enviar para a Receita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *