Os erros de escrita fiscal podem comprometer a saúde financeira de uma empresa. As boas práticas permitem um melhor registro de todas as informações, o que é fundamental para fazer o envio para o Fisco. Dessa forma, adotar algumas soluções e evitar os erros diminui as chances de problemas com a Receita Federal.

O Brasil tem um dos sistemas tributários mais complexos do mundo. Estima-se que as empresas gastem R$60 bilhões e 1.958 horas por ano para calcular e pagar impostos. Ou seja, é essencial adotar inovações tecnológicas para diminuir a incidência de erros e agilizar esses registros.

Neste post, vamos explicar o que é a escrita fiscal e, em seguida, listar alguns erros comuns de escrituração fiscal, além de dar sugestões para solucionar os problemas. Continue a leitura!

O que é a escrita fiscal?

A escrita fiscal se refere todos os documentos e registros financeiros de uma empresa que devem ser enviados para o Fisco. Ela é obrigatória para todas as organizações que contribuem para o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e para o IPI, inclusive aquelas enquadradas no Simples Nacional.

Atualmente, essa prestação de contas foi digitalizada por meio do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), que substituiu os livros e documentos manuscritos nas empresas. Pela lei, é obrigatório manter o registro de entradas e saídas, guardar todas as notas fiscais e ter a relação dos serviços prestados.

Quais os erros de escrita fiscal e como solucioná-los?

Separamos alguns erros comuns de escrituração e destacamos como resolver essas questões. Confira!

Códigos errados

Na hora da emissão da nota fiscal, por exemplo, colocar o código errado na operação pode gerar problemas na escrita. É importante verificar os números anteriormente para não criar um documento inválido. Nesse caso, um software que faz a emissão automática tem muito valor.

Erro na descrição dos produtos ou serviços

A escrituração fiscal demanda informações completas sobre a atuação da empresa. Por isso, esse documento não pode resumido demais e deve conter todas as características do produto ou serviço, como valores, tamanhos e peças utilizadas. Isso evita problemas com a fiscalização, que pode requerer esses dados.

Falta de checagem

Dentro do SPED, existe um validador que transmite as notas e registros para o Fisco. Porém, ele faz uma conferência apenas da estrutura do arquivo e não do seu conteúdo, o que não conserta as falhas. Antes de fazer o envio, é necessário checar as informações para não sofrer penalidades.

Como um software pode ser útil para a sua empresa?

Com a digitalização do envio das informações para o Fisco, ficou clara a necessidade de introduzir a tecnologia na área fiscal da empresa. Os softwares são a solução mais eficiente para criar uma integração entre as equipes, com a atualização das informações financeiras em tempo real.

Isso evita que o contador e os gestores da empresa cometam os erros listados no tópico acima. Muitas vezes, essas falhas são causadas por colaboradores com pouca experiência. Com a emissão correta das notas fiscais e o registro detalhado, fica mais fácil apurar e pagar todos os impostos.

Os erros de escrita fiscal podem ser evitados com o uso da tecnologia e uma análise minuciosa da sua equipe. Vale destacar que, em casos de auditoria interna e aviso aos órgãos competentes, é possível diminuir as multas em até 90%. Então fique atento às informações da sua empresa!

A RTA tem softwares que atendem as necessidades da sua empresa. Entre em contato conosco e conheça as nossas ferramentas para melhorar a sua gestão contábil!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *